quinta-feira, junho 22, 2006

Poesia de Drummond na voz do próprio Drummond

Consolo na praia

Vamos, não chores.
A infância está perdida.
A mocidade está perdida.
Mas a vida não se perdeu.

O primeiro amor passou.
O segundo amor passou.
O terceiro amor passou.
Mas o coração continua.

Perdeste o melhor amigo.
Não tentaste qualquer viagem.
Não possuis carro, navio, terra.
Mas tens um cão.

Algumas palavras duras,
em voz mansa, te golpearam.
Nunca, nunca cicatrizam.
Mas, e o humour?

A injustiça não se resolve.
À sombra do mundo errado
murmuraste um protesto tímido.
Mas virão outros.

Tudo somado, devias
precipitar-te, de vez, nas águas.
Estás nu na areia, no vento...
Dorme, meu filho.

Carlos Drummond de Andrade


Para fazer download da poesia sendo recitada pelo Drummond:
http://www.badongo.com/file/924245
ou
http://rapidshare.de/files/23835851/Consolo_na_praia.mp3.html

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial